25 ANOS
DE CIRCULAÇÃO ININTERRUPTA
1993-2018
Rua Eleotério Tavares, 248 – Rocio Pequeno
(47) 3444.1926 | São Francisco do Sul - SC
jornalnossailha@jornalnossailha.com.br

Exportações de SC encolheram 5,1% no primeiro trimestre

Exportações de SC encolheram 5,1% no primeiro trimestre divulgação

Exportações de SC encolheram 5,1% no primeiro trimestre

O faturamento com exportações de Santa Catarina caiu 5,18% no primeiro trimestre, segundo dados do governo federal divulgados nesta semana. O valor passou de US$ 1,98 bilhão nos três primeiros meses de 2020 para US$ 1,88 bilhão em 2021. A diferença é negativa em US$ 102 milhões. Com o resultado, o Estado teve o pior desempenho nominal para o período desde 2016.

A principal queda no mês ocorreu no mercado de soja. O valor faturado com exportações do grão caiu de US$ 150 milhões para US$ 34 milhões do ano passado para cá (-77%), fruto da redução de volume: 433 mil toneladas para 86 mil toneladas (-80%). A retração está ligada ao processo de estiagem que afetou o Estado e atrasou plantio e colheita. 

Outro item que caiu foi a carne de frango. Com o mercado europeu fechado ao produto catarinense, a maioria das cargas tem ido para a Ásia, que tem buscado mais carne suína. A queda no faturamento é de 16%, segundo o Ministério da Economia, resultado da retração no volume exportado de 227 mil toneladas (1º trimestre de 2020) para 203 mil toneladas (1º trimestre de 2021), recuo de 10,5%.

Além do agro, houve queda também no mercado de motores elétricos e peças para motores elétricos, com diminuição próxima a 10%. Na mesma proporção, caiu a exportação de tabaco, de papel e de compressores.

Por outro lado, dois grandes setores fecharam o trimestre em alta. É o caso da carne suína, que tem ganhado espaço do frango no mercado internacional e está em alta desde a detecção de peste nesses animais na China. O faturamento cresceu 15% no período (US$ 244 milhões para US$ 291 milhões) e o volume 16% (100 mil toneladas para 116 mil toneladas).

Outro avanço é do mercado de madeira e móveis. Na madeira trabalhada, o faturamento passou de US$ 64 milhões para US$ 86 milhões. Já nos manufaturados de madeira, o ganho subiu de US$ 62 milhões para US$ 83 milhões.